Compartilhe

sexta-feira, 27 de maio de 2016

MINHAS MEMÓRIAS DE PAPETE

Eu ainda era menino, morando no Apeadouro, quando pela primeira vez ouvi a voz de Papete, no disco Bandeira de Aço.

O som chegou lá em casa atravessando a rua Sousândrade, vindo da casa dos vizinhos recentemente chegados ao bairro.

Vez por outra eles colocavam esse disco, e outros, de cantores e compositores do Maranhão, que passaram a fazer parte da minha formação musical.

Na feira do João Paulo, onde meu pai tinha uma quitanda, a freguesia do fiado era ilustrissimamente representada por Dona Teté do Cacuriá, uma das arteiras do Laborarte.

Assim, passei a ouvir cacuriá e outras facetas da cultura popular do Maranhão.

No Apeadouro, na década de 80, existia um dos maiores arraiais de São João de São Luís. Os moradores se reuniam, montavam as barracas e enfeitavam as ruas com ariri e bandeirinhas.

Muitas brincadeiras que passavam no Arraial do Apeadouro vinham do João Paulo, mandadas por Zé Cupertino.

As barracas do arraial sempre tocavam as músicas de Papete. Quando ingressei na UFMA, no curso de Jornalismo, Papete dava o tom nas festas do Comunicarte, a Mostra de Arte do Curso de Comunicação.

Das músicas cantadas por Papete, a mais emblemática sempre me vem à cabeça, quando chega o mês de maio e aproximam-se os festejos juninos:

"Mamãe eu tô com uma vontade louca
De ver o dia sair pela boca
De ver Maria cair da janela
De ver maresia
Ai maresia"

quarta-feira, 25 de maio de 2016

39º FESTIVAL GUARNICÊ DE CINEMA É OFICIALMENTE LANÇADO EM SÃO LUÍS

O evento homenageará o cineasta Neville DAlmeida e acontece entre os dias 6 e 11 de junho, no Centro Histórico

O 39° Festival Guarnicê de Cinema acontecerá entre os dias 6 e 11 de junho, no Centro Histórico de São Luís. Na solenidade de lançamento estiveram presentes a reitora da Universidade Federal do Maranhão, Nair Portela; a pró-reitora de Extensão, Cultura e Empreendedorismo, Dorlene  de Aquino; a diretora do departamento de Assuntos Culturais e coordenadora geral do Festival Guarnicê, Fernanda Pinheiro; o secretário-adjunto de Economia Criativa e diretor do teatro Arthur Azevedo, Celso Brandão e o diretor executivo da Cemar, Luiz Carlos Cardoso.

Para esta edição, o Festival de Cinema tem como tema “Novos olhares, novas experiências” com o objetivo de atender um público variado. Neste ano, além das mostras competitivas, o público poderá participar da Mostra Guarnicezinho, voltada para as crianças; Mostra Jovem e Mostra Cinema não tem idade, voltada para o público da terceira idade.

Como já é tradição do evento, a mostra competitiva de filmes sempre é bastante concorrida. A coordenadora geral do Guarnicê, Fernanda Pinheiro, mencionou que a seleção de escolha dos filmes foi bem difícil, pois o número de inscritos superou a expectativa da organização e qualidade dos filmes tornou a escolha mais desafiadora ainda.

“Nesse ano, tivemos 250 filmes inscritos e todas as produções com uma qualidade impressionante. Logo, nosso trabalho de seleção foi bem difícil, mas selecionamos 20 filmes, sendo 16 deles de curta- metragem e 4 de longa-metragem que irão disputar as premiações em dinheiro”, pontuou Fernanda Pinheiro.

A reitora Nair Portela demonstrou a sua satisfação de participar, pela primeira vez, do Guarnicê, estando à frente da Universidade Federal do Maranhão. “Sabemos da importância que o Festival de Cinema tem para área cultural do Maranhão. Esse é o momento que a Universidade, nos seus 50 anos de existência, fortalece suas políticas de apoio aos projetos de extensão; serve de estímulo para que os alunos da UFMA possam se aproximar da sétima arte, além de ser uma oportunidade para cineastas locais e nacionais divulgarem suas produções cinematográficas”, declarou a reitora.

O Festival Guarnicê de Cinema é o quarto festival mais antigo de cinema do Brasil e nesses trinta e nove anos de existência se tornou o principal evento de cinema do Maranhão, o que segundo a pró- reitoria de Extensão, Cultura e Empreendedorismo, Dorlene de Aquino, já representa um ganho cultural para a população maranhense. “O Guarnicê é uma realidade, pois além de estimular as produções cinematográficas locais e nacionais, funciona como um formador de plateia para o cinema, já que pessoas que não tem acesso ao cinema podem, gratuitamente, contemplar a sétima arte”, enfatizou a pró-reitora.

A trigésima nona edição do Guarnicê contará com a presença dos atores Chico Dias e Letícia Sabatella e irá homenagear o cineasta Neville D’ Almeida, um dos fundadores do movimento do cinema marginal, que trabalha com produções de estilo arrojado e contestador e é dono da terceira maior bilheteria do país com o filme “Dama da lotação”, de 1978. A programação do festival conta com algumas novidades, além das oficinas que serão disponibilizadas ao público, a organização criou mais duas mostras fílmicas, uma direcionadas para produções nacionais, chamada de Mostra Cenário Brasil e outra voltadas para filmes maranhenses, intitulada Mostra Cenário Maranhão; além da realização da ação “Cinema em Todo Lugar”, onde será exibido um filme em uma escola pública do estado.

Mais informações acesse o site do evento www.cultura.ufma.br/39guarnice/

ATENDIMENTO DO SAMU

A Secretaria Municipal de Saúde (Semus) informa que o telefone 192 do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) estará fora do ar nesta quarta-feira (25) devido a mudança da sede do serviço. As solicitações de atendimento podem ser feitas pelo telefone 190.

AUTORES MARANHENSES TERÃO OBRAS REPUBLICADAS

Autores maranhenses que tenham livros relativos ao debate e à reflexão sobre o Maranhão e que sejam considerados clássicos na sua área de conhecimento podem inscrever suas obras para republicação por meio do ‘Edital Secti - Biblioteca Básica Maranhense’. Serão selecionadas obras que sejam relevantes para a interpretação da realidade maranhense.

“A Biblioteca Básica Maranhense tem por objetivo resgatar trabalhos que sejam considerados clássicos, sejam considerados de referência naquela área do conhecimento no sentido de que a leitura das publicações seja importante para que se compreenda não só aquela área, mas o Maranhão”, explicou o secretário de Estado de Ciência Tecnologia e Inovação, Jhonatan Almada.

O secretário observou que existe, hoje, no Maranhão a necessidade de retomar o debate sobre o estado, de analisar os problemas do Maranhão por meio de conhecimento, incluindo o que já foi produzido. “Então a Biblioteca Básica Maranhense tem o objetivo de resgatar esses trabalhos, reprimi-los no formato de uma coleção para que qualquer pessoa do Estado possa conhecer melhor a sua terra”.

Envio das propostas

A chamada pública, lançada pelo Governo do Estado por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) está disponível na página da Secti no endereço www.secti.ma.gov.br.

As indicações de livros deverão ser enviadas, exclusivamente, para o e-mail publicacoes@secti.ma.gov.br, informando no campo Assunto do e-mail o título do livro, sobrenome do proponente e o número do edital.

Os livros selecionados poderão ser publicados no formato impresso ou digital, bem como disponibilizados no site da Secti para acesso público e gratuito. As publicações também poderão integrar o acervo das bibliotecas das unidades do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema) e Rede de Faróis do Saber.

terça-feira, 24 de maio de 2016

PAPOÉTICO: PROJETO CULTURAL RETORNA COM DEBATE SOBRE A JUDICIALIZAÇÃO DA POLÍTICA

O Projeto Papoético retornará, na próxima quarta-feira, 25 de maio, a partir das 19 horas, na Praia Grande. Atualmente, o projeto é coordenado por um coletivo. Surgido em dezembro de 2010, criado pelo poeta, jornalista, pesquisador e produtor cultural Paulo Melo Sousa, sua proposta tem como escopo realizar semanalmente eventos culturais visando estimular a discussão de assuntos voltados para o setor da arte e cultura, envolvendo todos os segmentos ligados ao setor.

Semanalmente, acontecem palestras ou bate-papos sobre literatura, artes visuais, teatro, dança, cinema, cultura popular, meio ambiente, comunicação, mídias livres, política, filosofia, sociologia, dentre outros temas, além de exibições de filmes, lançamentos de livros, realização de performances, pequenos shows musicais, exposições de artes visuais ou de fotografia, rodas de conversas, leituras de poesia, e tantas outras atividades culturais.

Os encontros acontecem sempre a partir das 19 horas, reunindo um grupo de pessoas interessadas em participar de eventos culturais articulados pelo projeto, que visa garimpar e estimular a produção artístico-cultural do Maranhão, facilitando o acesso de todos aos produtos culturais, de forma gratuita. Trata-se de um projeto democrático, aberto ao público, gratuito, com amplo escopo, centrado na discussão e aplicação de políticas públicas ligadas à cultura.

O Projeto realizou em 2012 o seu primeiro festival de poesia, buscando animar o meio cultural de São Luís. Contando com a participação da comunidade e, sobretudo, de novos poetas, que apoiaram através de participação massiva o evento, promoveu o II Festival de Poesia, em parceria com a Feira do Livro de São Luís - FELIS, em 2013.

A proposta é que seja colocada em prática uma gestão compartilhada, democrática, sob coordenação dos integrantes do Coletivo Papoético. Os encontros semanais acontecem em espaços cedidos de forma gratuita. No seu retorno, o projeto será realizado no bar “Taberna da Bossa”, que fica na rua do Trapiche, Praia Grande, Centro Histórico de São Luís, em parceria com o “Projeto Conversa de Botequim”, de Chico Nô e Juca do Cavaco. Após os eventos, o som do chorinho irá tomar conta do ambiente, a partir das 21 horas. O bar, o mais novo e descolado point da Praia Grande, foi inaugurado em dezembro do ano passado. “Eu vivi, na época da universidade, uma grande efervescência na área da Praia Grande; nos dias de hoje, esse agito todo diminuiu, então eu resolvi apostar num espaço que apresenta música de qualidade e um cardápio com rica diversidade, unindo cultura, música com estilos variados (jazz, bossa, dentre outros) e de qualidade, dando prioridade aos talentos do Maranhão”, declara Joberth Alves, proprietário do “Taberna da Bossa”.

O bar funciona de terça-feira a sábado, apresentando Chorinho na quarta-feira, a partir das 21 horas, com Chico Nô, Juca do Cavaco e convidados, Bossa e Jazz na quinta-feira, Blues e Rock na sexta-feira no mesmo horário e espaço aberto para canjas de músicos consagrados e apresentações de cantores alternativos aos sábados. A proposta do Papoético possui na sua formatação o ambiente de um bar. Após os eventos, os participantes permanecem no local, alongando a conversa, de forma informal, com música de qualidade, e na companhia de uma boa bebida e comida de primeira, o que confere à iniciativa um tom boêmio.

Inicialmente, não haverá pagamento de pro labore para os participantes do evento enquanto palestrantes, performers, debatedores. Sendo que essa ação é feita na base da articulação, através da pura camaradagem, todos participando do evento de forma parceira, haja vista o interesse maior em movimentar o setor cultural e artístico de São Luís, embora o projeto caminhe para uma formatação mais profissional para que todos ganhem com a proposta, futuramente. O projeto terá apoio da Secretaria de Estado da Cultura e Turismo – SECTUR, através da Fundação da Memória Republicana Brasileira - FMRB e do antigo Convento das Mercês, com logística e empréstimo de equipamentos.

O primeiro debate terá como palestrante o advogado Guilherme Zagallo. Natural da cidade de Belém, capital do Pará, ele reside em São Luís desde outubro de 1983. Formado em Direito pela Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Zagallo trabalhou como advogado e assessor jurídico de vários sindicatos de trabalhadores no Maranhão. Atuou como coordenador do Movimento Estadual de Combate à Corrupção Eleitoral e Administrativa, sendo representante da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB no Conselho da Cidade de São Luís.

Membro da Comissão Nacional de Acesso à Justiça do Conselho Federal da OAB, foi vice-presidente dessa entidade na seccional do Maranhão. Recebeu o título de cidadão ludovicense por seu trabalho relativo “à defesa do meio ambiente, sua luta constante pela prevalência da justiça e do respeito às leis, seu empenho na defesa dos direitos e interesses dos cidadãos e cidadãs menos abastados de nossa cidade e estado”.

No Projeto Papoético, Zagallo abordará o tema “A Judicialização da Política no Campo da Ciência do Direito”, assunto que tem incendiado as rodas de conversa sobre a atual conjuntura na qual se encontra o país, neste momento histórico e de nebulosos contornos. “Trata-se de um tema que inaugura uma série de provocações que iremos realizar ao longo deste retorno do Papoético; entendo que o debate político atualmente veiculado nas redes sociais, com suas conotações históricas, jurídicas, sociológicas, filosóficas, está muito raso, e nossa intenção é elevar o padrão desse tema candente, com análises sérias, profundas e pertinentes, o que, a princípio, sempre delineou o perfil do projeto”, declara Paulo Melo Sousa.

SERVIÇO

Projeto Papoético

Quando? Dia 25 de maio.

Onde? Bar Taberna da Bossa, Praia Grande - Centro Histórico de São Luís

Hora? 19 horas


Entrada Franca.

CARTA ABERTA DO OCUPAMinC-MA

Ocupação só termina quando Michel Temer sair do governo
Nós do OcupaMinc-MA, composto por produtores e fazedores de cultura, artistas, intelectuais, conselheiros de cultura, mestres da cultura popular, professores, pesquisadores, estudantes, pontos de cultura, movimentos sociais, sindicalistas, anarquistas, movimentos contra-culturais e diversidade sexual, repudiamos o golpe dado neste país por uma plutocracia corrupta que utiliza seus cargos de representantes para fins de interesses privados, implantando programas neoliberais de desmantelo de direitos sociais conquistados com muita luta e luto.

Em 17 de maio, ocupamos a sede do Iphan impedindo a entrada de seu quadro funcional, no contexto de extinção do MinC. Durante esses 7 dias, experimentamos a autogestão caracterizada pela horizontalidade, apoio mútuo e zelo ao espaço comum, práticas estas opostas ao que vemos no congresso nacional e demais instituições.

O retrocesso de conquistas no âmbito das políticas culturais ensejou este ato de desobediência civil. Em torno do tema da cultura, aglutinamos outros setores da sociedade que também tiveram seus direitos subtraídos. Construímos redes que fortalecem a luta por uma democracia radical, assim decidimos continuar ocupando e resistindo. Entendemos que os avanços nas políticas culturais, sociais e trabalhistas, sofreram um enorme retrocesso em apenas 13 dias do desgoverno Temer.

Nossa luta é exposta claramente em nosso manifesto. Ocuparemos até a exoneração deste governo fascista e golpista. Não deixaremos de lado questões regionais de extrema urgência, como a venda do estado do Maranhão e seu povo por migalhas; A situação da ampliação do Porto do Itaqui, resquício do governo de uma oligarquia de escrotos, desta família de saqueadores, a quadrilha Sarney; A transparência de todos os processos, principalmente sobre o PAC Cidades Históricas, onde a verba federal já foi repassada e as restaurações continuam paradas, transformando um legado histórico em ruínas.

A discrepância do discurso do atual governo do estado do Maranhão, que se diz governar para o povo e em vez de barrar essa venda do estado, arquitetada no governo de Roseana Sarney com a desculpa de avanço socioeconômico, criando mais um polo industrial na ilha enquanto devasta terras sagradas, comunidades quilombolas, indígenas e reservas extrativistas, dialoga com os empresários e faz um plano diretor com audiências públicas forjadas e compradas por esses empresários gananciosos e sedentos de poder.

Contra o desenvolvimentismo predador, o neoliberalismo e a plutocracia, construiremos o poder popular de decisão sobre os rumos do país na direção da justiça e igualdade e respeito à diversidade. Sarney, devolva o estado do Maranhão (inclusive o portão do cemitério da cidade histórica de Alcântara que está na entrada da sua residência)! Temer, devolva o cargo e o estado de direito deste país e leve toda essa corja corrupta e separatista! O povo não vai descansar!

O PAÍS É NOSSO! OCUPA TUDO!!!!!

São Luís – MA, 24 de maio de 2016

segunda-feira, 23 de maio de 2016

CASSAÇÃO E PRISÃO PARA ROMERO JUCÁ

Flagrado em um grampo, ao tramar boicote à operação Lava Jato, o ministro do Planejamento Romero Jucá (PMDB) tem de ser investigado no Judiciário e sofrer o processo de cassação do mandato de senador.

Cassação é só detalhe. Ele deve ser preso por tentativa de atrapalhar as investigações.

O simples afastamento do cargo de ministro chega a ser um deboche. Jucá deveria ser expurgado da gestão do presidente interino Michel Temer (PMDB).

Apenas o afastamento é um sinal de conivência de Temer com os esquemas de proteção da corrupção, cujos tentáculos se prolongam em todo o governo.