Compartilhe

terça-feira, 29 de julho de 2014

SAULO ARCANGELI PARTICIPA DE ENCONTRO NA COMUNIDADE GUERREIRO, EM PARNARAMA

O candidato do PSTU ao governo, Saulo Arcangeli, participou de um encontro realizado na comunidade Guerreiro, em Parnarama, que contou com 19 comunidades quilombolas dos municípios de Matões, Santa Helena, Bequimão, Peri Mirim, São Vicente Ferrer, Palmeirândia, Turiaçu, Turilândia, São Luiz Gonzaga, Parnarama, Pirapemas, Serrano do Maranhão, Codó, Mirinzal e Timbiras. Estavam presentes a Comissão Pastoral da Terra (CPT) e o Movimento Quilombola do Maranhão (Moquibom).

No encontro as comunidades discutiram e expuseram as lutas pela manutenção e titulação de suas terras e as ameaças que sofrem diariamente por parte de grileiros, madeireiros, do agronegócio e do latifúndio. Comunidades que há anos vivem nas terras e que resistem para permanecer mesmo com ameaças de morte, assassinatos, reintegrações de posse concedidas pelo poder judiciário e pressão das administrações municipais e do Governo do Estado.

O encontro também reforçou a luta da comunidade Guerreiro frente à tentativa da Suzano Papel e Celulose de retirar suas terras. A comunidade busca ser reconhecida como quilombola, cujo processo encontra-se, com muita lentidão, na fase de certificação pela Fundação Cultural Palmares.

A Suzano já ocupou mais de 19 mil hectares nas proximidades para plantação de eucaliptos, com o intuito de utilizar em sua fábrica localizada na região sul do estado, retirando várias famílias que produziam na área. Enquanto isso, na cidade de Parnarama, produtos para alimentação da população vem de Teresina e de outros estados.

“Em relação à empresa Suzano Papel e Celulose, afirmamos que o modelo atual de desenvolvimento do Estado visa o enriquecimento das empresas, enquanto os trabalhadores empobrecem e são retirados das suas terras. Já foram várias áreas devastadas na região sul/sudoeste do estado e agora ocupam a região dos cocais com suas florestas artificiais, agredindo o meio ambiente e suas fauna e flora. Caso continue, o Maranhão se tornará um imenso território de plantação de soja e eucalipto e não mais produziremos nada para garantir a segurança alimentar e a vida da população maranhense”, afirmou Saulo Arcangeli.

Outros problemas na comunidade Guerreiro são a falta de água e de energia elétrica. “Em relação ao fornecimento de energia elétrica, a Cemar afirma, segundo os moradores, que não tem nenhuma previsão e que sua prioridade é o atendimento às empresas, o que demonstra que a Luz não é para Todos. A energia não chega pela paralisia do programa “Luz para Todos” do governo federal e a falta de compromisso da Cemar com a população, pois a empresa está preocupada com seu lucro. Por isso defendemos a estatização da companhia para que atenda, com qualidade, aos que mais precisam de energia”, concluiu Saulo Arcangeli.

Durante a tarde foi realizada uma passeata pela cidade de Parnarama que passou por vários órgãos. No Fórum de Justiça foi feita uma exigência para que o Poder Judiciário não tome nenhuma atitude em relação à reintegração, antes que se conclua o processo de titulação da terra quilombola de Guerreiro. Na Cemar, que funciona apenas até meio-dia, foi feito um lacramento simbólico pela inoperância da companhia em resolver o problema de energia e na prefeitura municipal foi cobrada uma posição da administração sobre a falta de água na comunidade.

EBC ABRE INSCRIÇÕES PARA PROJETOS 2015

O Banco de Projetos é um sistema online para o cadastro de propostas de conteúdos audiovisuais, radiofônicos ou multimídia para as plataformas da EBC. Já estão abertas as inscrições para a edição 2014/2015. O prazo para envio é 31 de dezembro de 2014. 

Serão aceitas propostas para coprodução de obras audiovisuais, radiofônicas e/ou interativas digitais multimídia. O objetivo é investir na produção independente para a realização de conteúdos artísticos, educativos, culturais ou jornalísticos a serem vinculados na TV Brasil, da TV Brasil Internacional, TV Brasil Web, Rede Nacional de Comunicação Pública – RNCP, Portal EBC e Sistema Público de Rádios.

Veja mais informações AQUI

segunda-feira, 28 de julho de 2014

DEPUTADO ENVIA NOTA DE ESCLARECIMENTO SOBRE A DEMOLIÇÃO DO GINÁSIO COSTA RODRIGUES

O blogue publica nota enviada pela assessoria do deputado federal Weverton Rocha (PDT) sobre a demolição do ginásio Costa Rodrigues.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Atendendo ao princípio da liberdade de expressão, que assegura direito de resposta gratuito e proporcional, venho legitimamente oferecer oportunos esclarecimentos acerca do conteúdo divulgado neste espaço:

       Desde que ingressei na vida política, ainda muito jovem quando me envolvi nas lutas estudantis, tenho trabalhado em prol do povo e do estado, atendendo sempre às necessidades estruturais, sociais, educacionais e, sobretudo, da juventude que vive sem oportunidades nos 217 municípios maranhenses. Tenho convicção da idoneidade do meu trabalho e não me calarei perante as inverdades que são alardeadas por uma ínfima parcela da imprensa que se torna prejudicial à população.

Não tenho nenhuma condenação judicial, prova disso é que o Tribunal Regional Eleitoral deferiu a minha candidatura, ressaltando que tenho todas as condições de elegibilidade e estou completamente apto para disputar as próximas eleições, onde tenho o desejo de reeleger-me deputado federal e continuar o trabalho que venho desempenhando desde 2013 na Câmara Federal.

Quando ocupei o cargo de secretário de Esporte e Juventude, no governo do saudoso Jackson Lago, iniciei a reconstrução do Ginásio Costa Rodrigues, atendendo ao Decreto de Emergência baixado pelo Governo, que deixava eminente os riscos que o local representava para atletas e usuários, conforme laudo do CREA-MA. Obedecendo todos os parâmetros legais sobre dispensa de licitação devido ao estado de emergência, a empresa foi contratada e deu inicio às obras. A demolição se deu para que o local fosse reconstruído, uma vez que foi constatado que sua estrutura estava em precário estado. Com os recursos repassados, foram adquiridos os equipamentos para modernizar o novo Costa Rodrigues, tudo entregue ao Governo do Estado e atestado por meio de notas fiscais que constam no processo administrativo e judicial. Com a interrupção do governo ao qual fazíamos parte, após decisão do Tribunal Superior Eleitoral, tudo foi entregue à “nova” administração. A obra se encontrava em plena execução, quando foi estranhamente embargada por membros do atual Governo, fato que se deu sem qualquer motivação jurídica.

Minha aliança e a do partido que faço parte, ao candidato ao governo do Maranhão, Flávio Dino, e ao projeto da frente da oposição no estado, vai muito além de interesses políticos, e demonstra a maturidade de nosso partido, que nem nas adversidades que enfrentou ao longo de sua história se rendeu ao poder instalado por décadas neste estado. Jamais agimos contra nossa história e do nosso líder maior, Jackson Lago, que foi injustiçado e perseguido por aqueles que se julgam donos desta terra. Sempre atuei na oposição a este grupo que impõe o atraso e a desumanidade a milhões de maranhenses, e é na oposição que permanecerei lutando, por um Maranhão mais justo e oportuno para cada cidadão deste estado.  

Weverton Rocha

Deputado Federal pelo PDT/MA

RECURSOS DO FUNDEMA DEVEM SER FISCALIZADOS


Todos os recursos transferidos aos municípios por meio do Fundema passarão a ser acompanhados pelos órgãos de fiscalização federais. A decisão do juiz da 5ª vara da Justiça Federal, José Carlos Madeira, determinou que o BNDES, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal repassem informações criteriosas a respeito das transferências realizadas pelo Fundema.

A decisão proferida na última sexta-feira (25) determina que as instituições financeiras envolvidas no repasse de verbas aos municípios através do Fundo de Desenvolvimento Municipal do Estado do Maranhão repassem à Justiça Federal todas as informações referentes a repasses que já tenham sido feitos realizados. Com a decisão, a fiscalização da aplicação das verbas ficará a cargo do Ministério Público Federal (MPF), da Controladoria Geral da União (CGU) e da Polícia Federal (PF).

Com cerca de R$ 4,5 bilhões em empréstimos ao Governo do Maranhão feito pelo BNDES, o Fundema criado pela governadora Roseana Sarney (PMDB) a toque de caixa seria responsável por pagar os convênios realizados entre o Governo Estadual e as prefeituras entre dezembro de 2013 e todo o ano de 2014. Para assegurar a realização das obras e que os recursos sejam aplicados, a Justiça Federal pediu toda a relação de “beneficiários, valores transferidos, datas das operações, conta – de órgãos municipais, pessoas físicas ou jurídicas – que sejam destinatárias dos referidos recursos”.

Não haverá transferência no período eleitoral

Em visita ao vice-presidente do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social), deputados maranhenses receberam a garantia de que os valores destinados a obras e erradicação da pobreza no Maranhão serão utilizados observando todas as determinações legais que impossibilitam transferências de recursos durante os 90 dias em que acontece o período eleitoral, que começou no dia 5 de julho.

A informação foi dada ainda no mês de junho pelo vice-presidente da instituição, Wagner Bittencourt de Oliveira, em encontro com deputados da bancada de oposição da Assembleia Legislativa do Maranhão. Ao todo, o empréstimo configura R$ 4,5 bilhões. Segundo o presidente do banco, a Advocacia Geral da União (AGU) tem entendimento que os desembolsos de empréstimo configuram repasse voluntário, o que é vedado em período eleitoral. Há um saldo de recursos depositado na conta do governo pelo BNDES, mas que está vinculado a obras já iniciadas.


O Fundema foi criado por determinação da governadora Roseana Sarney em junho deste ano, com extrema agilidade pela Assembleia Legislativa, que aprovou o projeto em 4 dias. A ideia era usar os repasses federais não para obras do Governo do Estado, mas para repasses direto às prefeituras. O caso lembra o processo eleitoral de 2010, no qual Roseana Sarney foi acusada pela Procuradoria Geral da República de ter comprado apoio político e eleitoral através de repasses em convênios. O Ministério Público viu na conduta da governadora motivo para cassação por abuso de poder político e econômico no processo eleitoral, realizando transferências que chegaram a valor próximo a R$ 1 bilhão.

domingo, 27 de julho de 2014

TRÊS SHOWS, VÁRIAS SONORIDADES

TRÊS SHOWS, VÁRIAS SONORIDADES

com Skaravelho, Didã, Erivaldo Gomes e Banda

dia 31 de julho, 21h

no Bar do Porto - Praia Grande

couvert artístico: R$ 5,00

mais informações
88052001/81412778

sábado, 26 de julho de 2014

MARCOS SILVA PROPÕE A FEDERALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUAS E ESGOTO

Conheça a plataforma de campanha e as propostas do PSTU para o Senado

Marcos Silva

O PSTU fará uma campanha simples e humilde, dentro das condições do partido e dos apoiadores. Não usaremos carro de som permanente, a não ser nas caminhadas nos bairros e visita aos locais de trabalho.

Também não utilizaremos um grande volume de material gráfico, pois a campanha consistirá no uso das redes sociais, no pouco tempo de TV e rádio, que será em torno de 30 segundos duas vezes ao dia e três vezes por semana.

Realizaremos caminhadas, visitas, estudo, reuniões e plenárias construídas com as pessoas interessadas em discutir propostas e ação política. Queremos mostrar que é possível fazer uma campanha eleitoral com um baixo custo financeiro, dando oportunidade para que os eleitores possam escolher seus candidatos sem a influência do uso do poder econômico, mas por meio de uma escolha crítica e consciente do seu voto, pois só assim o eleitor também pode arcar com as consequências do resultado eleitoral.

Participe da campanha do PSTU

Como você pode fortalecer a nossa campanha? Conversando com os vizinhos, colegas de trabalho e de estudo. Caso queira marcar alguma reunião ou contribuir financeiramente, ligue para o telefone 88126280 e fale com Eloy Natan, responsável pelo comitê financeiro e presidente estadual do PSTU.

Caso queira, pode participar das plenárias e atividades do partido. Será a nossa grande vitória ganhar as pessoas para a luta em defesa de uma ordem societária sem explorados e nem oprimidos na construção do nosso partido.

De quem queremos o apoio? De todos e todas que vivem honestamente do seu próprio trabalho ou do resultado dele, assim como dos jovens que lutam contra as injustiças sociais na sociedade capitalista.

Nossa candidatura é de oposição à oligarquia Sarney e tem o compromisso com os interesses da classe trabalhadora, sejam os imediatos ou históricos. É uma candidatura de esquerda, classista e socialista.

Quem é Marcos Silva?

É trabalhador urbanitário do setor de saneamento ambiental. Tem quase 30 anos de luta social, bacharel em Serviço Social e está concluindo Licenciatura em História, com pós-graduação em História e Cultura Afro-Brasileira. Atualmente também é pós-graduando em Política e Gestão em Serviço Social.

Pra mudar, mude de uma vez. Vote! Marcos Silva senador 163. Só a luta muda à vida! Passe em frente essa ideia, porque as eleições não estão definidas. Eles têm muito dinheiro para gastar na campanha, porém seu voto é livre e não pertence a eles. Só você pode mudar essa história elegendo pela primeira vez no Maranhão um senador trabalhador, simples e socialmente igual a você.

Vou continuar apresentado nossas propostas para serem analisadas por vocês. No ano de 2013, os banqueiros tiveram um lucro líquido de mais de 60 bilhões e os trabalhadores e trabalhadoras tiveram a precarização de seus empregos e os seus salários têm sido cada vez menores diante do poder de compra.

Todavia ainda existe um brutal assalto aos clientes através de grandes percentuais de juros no cheque especial e no cartão que chega a mais de 200% ao ano. Portanto, no Senado federal quero fortalecer a luta dos bancários por uma maior participação nos lucros estabelecidos em lei federal e, ao mesmo tempo, faremos o debate sobre a importância da nacionalização e estatização do sistema financeiro, pois parte deste lucro daria para resolver o problema da universalização do abastecimento de água no nordeste.

O Maranhão e a água

Segundo dados do Atlas do IBGE:

“A região Sudeste tem, em média, 48% de municípios que oferecem tratamento. O Estado de São Paulo registra 78%. No Nordeste, as disparidades são grandes: enquanto o Ceará tem 49% de cidades nesta situação e Pernambuco, 28%, o Piauí tem apenas 2% e o Maranhão, 1%”.

Nos 217 municípios do Maranhão, só dois (São Luís e Imperatriz) possuem coleta e tratamento de esgoto, porém ainda ineficiente do ponto de vista dos índices de oferta dos serviços. Estou pronto para lutar contra essas desigualdades no Senado federal. Proponho a federalização dos serviços de águas e esgoto como forma de fortalecer os investimentos na área, acabando com a fragmentação do setor e garantido uma menor tarifa para os usuários.

O fundamental é levar para o Senado a discussão sobre a pobreza no Brasil e as desigualdades sociais, bem como a questão da criminalidade e do meio ambiente, com uma uma preocupação especial voltada ao saneamento ambiental.

Não podemos também deixar de discutir o problema da globalização da economia, a soberania nacional e a independência do Brasil frente às multinacionais. Quero estar sempre a serviço de fortalecer as reivindicações dos movimentos sociais, tendo uma atuação crítica e uma postura na busca de ampliar as liberdades democráticas.

Vivemos na atualidade uma profunda crise econômica e ambiental; porém, para os capitalistas o que interessa é resolver a crise econômica na busca do crescimento não como forma de melhorar a vida da maioria do povo, mas com o objetivo de aumentar os lucros das grandes empresas. Todavia, para resolvermos a crise ambiental, precisamos controlar as profundas agressões à natureza feitas por meio do uso irracional dos recursos naturais.

Esse é um debate que quero fazer no Senado federal, propor uma mediação que proteja nossos recursos naturais da ganância das grandes empresas e, ao mesmo tempo, colaborar na construção de uma ordem societária sem explorados e nem oprimidos com respeito ao meio ambiente.

Pra mudar! Mude de uma vez. Vote! Marcos silva senador 163.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

DEPUTADO BLACK BLOC TENTA A REELEIÇÃO

Demolição do ginásio Costa Rodrigues custou R$ 5 milhões
Será lançada oficialmente neste sábado, 26, a campanha de Weverton Rocha (PDT) a deputado federal.

Rocha ficou famoso depois que o ex-governador Jackson Lago (PDT) disse no Maranhão inteiro: “Eis aqui o meu sucessor”

Quando fecharam o caixão de Jackson, o menino prodígio tomou conta do PDT e o seu primeiro ato foi alijar do partido as pessoas mais próximas do ex-governador: a esposa Clay Lago e o filho Igor Lago. Ambos foram buscar abrigo no PPS.

Mas o auge da fama de Weverton ocorreu quando ele era secretário estadual de Esportes e Juventude e mandou demolir o ginásio Costa Rodrigues (foto), um patrimônio dos maranhenses.

O secretário foi denunciado por ter pago antecipadamente R$ 5 milhões a uma empreiteira para reformar o ginásio, que estava em perfeitas condições de funcionamento.

Ato contínuo, ele candidatou-se a deputado federal e a obra nunca foi concluída.

A demolição do Costa Rodrigues foi um dos maiores atos de vandalismo já praticado por um político no Maranhão.

O ginásio, durante muitas décadas, foi palco dos Jogos Estudantis Maranhenses (JEMs), deu emprego a muitos profissionais de Educação Física e proporcionava um saudável ambiente de convivência à juventude ludovicense.

Nem todos os black blocs juntos, atirando pedras e coquetéis molotov, teriam força para dilapidar um patrimônio público com tanta rapidez.

Ainda bem jovem, Weverton fora denunciado também por desvio no dinheiro das carteiras de estudantes, quando mandava e desmandava na União Municipal dos Estudantes Secundaristas (UMES).

Sábado, ele vai falar sobre a mudança no Maranhão. O acordo para elegê-lo novamente deputado federal já está armado. Ele não só vai renovar o mandato como será um dos políticos mais influentes em um eventual governo Flavio Dino (PCdoB).

E assim, quem sabe, ele até nomeia o secretário de Esportes e acerta com uma empreiteira para terminar a obra do Costa Rodrigues, pagando de novo com o dinheiro do povo.