Compartilhe

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

ISNANDE BARROS AVALIA OS CENÁRIOS POLÍTICOS DE IMPERATRIZ

O professor Isnande Barros concedeu entrevista a este blogue, avaliando os cenários da sucessão do prefeito Sebastião Madeira (PSDB). Blogueiro reconhecido, Barros interpreta os lances do jogo partidário de Imperatriz, onde Madeira vai tentar a reeleição.


A saída do vereador Edmilson Sanches do PSDB para o PC do B é vista como alternativa do chamado campo progressista, que pode reunir os comunistas, o PT e o PSOL em uma aliança.


Outro adversário forte, o PMDB, ainda não se definiu. Ildon Marques e Ribinha Cunha são os nomes indicados.

Isnande Barros foi presidente e secretário geral do PT de Imperatriz. Formado em Pedagogia na UFMA, é professor universitário e supervisor escolar do município.


Na gestão do prefeito Jomar Fernandes (PT), dirigiu a Superintendência de Esportes. Reside em Imperatriz desde janeiro de 1974. Desfiliou-se do PT e está a caminho do PCdoB. Abaixo, a entrevista:

Qual a sua avaliação do governo Sebastião Madeira?

Isnande - O candidato Sebastião Madeira gerou uma expectativa muito grande no eleitorado de Imperatriz, pois prometeu muito em função da aliança PSDB-PDT. Com a queda de Jackson Lago - seu maior apoiador - ele se deparou com dificuldades extremas para cumprir pelo menos parte das obras prometidas, principalmente em infraestrutura urbana. Enfrenta problemas na saúde, com excesso de contratos feitos com dispensa de licitação. Eu daria nota 6,0 para sua administração.

Como o prefeito está encarando a saída de Edmilson Sanches do PSDB para candidatar-se a prefeito pelo PC do B?

Isnande - No ninho tucano todos sabiam da pretensão de Edmilson Sanches, mesmo quando o tiraram do PSB para uma candidatura a vereador na eleição passada. Sanches seria candidato em 2008 pelo PSB. Ele é visto como um azarão pelos seus governistas e um candidato que não disporá de recursos financeiros para a campanha, mas que se apresentará como o novo, a novidade eleitoral de 2012. Isso assusta os tucanos.

O vice-prefeito de Imperatriz Jean Carlo (PDT) têm feito muitas críticas ao prefeito nas redes sociais. Como Madeira vem reagindo?

Isnande - As críticas cessaram depois de uma conversa do prefeito Madeira com o presidente estadual da legenda e após a visita do presidente nacional do PDT, em que praticamente foi sacramentado o acordo entre "a rosa e o tucano". O PDT indica o vice de Madeira em 2012. Pelo que ficou acertado, o deputado estadual pedetistaCarlos Amorim não sai candidato e em troca indica o vice de Madeira.

Existe uma diáspora na base de Madeira ou ele conseguirá reverter a situação?

Isnande - Na hora certa a "casa estará quieta e o povo dentro", contentes e descontentes estarão no mesmo barco, pois Madeira "é quem está do lado do cabo do machado" e tem a caneta que demite e nomeia. Até aqueles que lançaram candidaturas fora da hora, já silenciaram, pois tiveram seus pleitos atendidos. A inquietação era uma questão de atendimentos de pleitos individuais.

Como estão se movimentando os partidos de centro-esquerda na sucessão de Madeira?

Isnande - PCdoB, PT e PSOL se movimentam mais visivelmente e já apresentaram vários filiados para a disputa majoritária de 2012, dentre eles Edmilson Sanches e Marco Aurélio pelo PCdoB; Adalberto Franklin, Expedito Barroso e Terezinha Fernandes pelo PT e mais dois nomes pelo PSOL. PDT e PSB, salvo algumas divergências internas, estão na sombra dos cargos municipais e conduzem a situação em banho maria e deverão manter a aliança PSDB, PDT, PSB e PPS e mais alguns nanicos, visando a reeleição de Sebastião Madeira.

O PSOL pode vir a compor com o PT e o PC do B, por exemplo?

Isnande - Acho que muito provavelmente o PSOL comporá com o PCdoB e o PT, tendo Edmilson Sanches como candidato majoritário.

Existe a possibilidade do deputado estadual Carlinhos Amorim (PDT), um aliado de Madeira, ser candidato a prefeito?

Isnande - O deputado estadual Carlos Amorim, mesmo tendo um bom índice de intenções de voto nas pesquisas realizadas, não disputará a eleição. O presidente nacional do partido, quando aqui esteve, até falou em "possibilidade de candidatura própria", mas internamente tratou de garantir a vaga de vice e disse não abrir mão da vaga para seu partido. Ao deputado falta disposição para romper com Madeira e o enfrentar em disputa majoritária.

A oposição reacionária liderada por Ildon Marques (PMDB) tem candidatura competitiva?

Isnande - A eleição em Imperatriz tem dois cenários: com e sem Ildon Marques-DEM, já que o ex-prefeito tem um eleitorado cativo na faixa de 30 pontos percentuais. No grupo palaciano, o único nome que poderia ser elevado à categoria de "competitivo", seria o do empresário Ribinha Cunha (PMDB), desde que houvesse um empenho dos caciques sarneístas - da cidade, do estado e da União - em torno do seu nome. É jovem, bem sucedido financeiramente e tem baixa rejeição. Resta saber se Ildon Marques calçaria suas botas e colocaria o pé na poeira para pedir votos para um outro nome do seu grupo político.

Considerando Imperatriz um reduto anti-Sarney, como será a receptividade do eleitor aos vereadores que apoiaram Roseana Sarney em 2010 e tentarão a reeleição em 2012?

Isnande - Como temos memória curta, poucos lembrarão daqueles que abandonaram o "velhinho" Jackson Lago e viraram roseanistas de uma hora para outra. Lembrando que os vereadores viraram a casaca, em função de recursos que seriam aplicados em Imperatriz. Roseana Sarney perdeu votos com o apoio dos vereadores traidores e as ditas obras prometidas nunca vieram. Vamos lembrar de alertar os eleitores sobre essa atitude de nossos vereadores, quando chegar a hora da colheita de votos.

Um comentário:

Blog do Josué Moura disse...

Parabéns Isnande, boa entrevista. Você mostra o seu lado partidário/ ideológico, mas trata a questão com muito "pé no chão", bastante lucidez...