Compartilhe

terça-feira, 26 de junho de 2012

POLÍCIA FEDERAL PRECISA ASSUMIR O CASO DÉCIO SÁ

Os insultos desferidos hoje pelo deputado estadual Raimundo Cutrim (DEM) contra o secretário de Segurança Aluisio Mendes apontam uma situação de instabilidade nas investigações sobre o assassinato do jornalista Décio Sá.

Raimundo Cutrim pôs em cheque o depoimento do pistoleiro Jhonatan de Sousa Silva, que citou o parlamentar com um dos mandantes da execução do jornalista.

Veja AQUI  o pronunciamento do deputado.

Ex-secretário de Segurança do Maranhão por quase dez anos, Cutrim chamou de “moleque” o atual titular da pasta, Aluisio Mendes.

Segundo o parlamentar, o depoimento de Jhonatan foi forjado quando o nome dele – Cutrim – é citado como um dos mandantes do crime.

Trata-se de uma acusação gravíssima, que merece uma apuração independente, cabendo à Polícia Federal assumir a tarefa daqui por diante.

Só a Polícia Federal terá autonomia relativa para apurar a teia criminosa no Maranhão, envolvendo agiotagem, pistolagem, coronelismo e a suposta participação do deputado estadual no assassinato de Décio Sá.

As acusações desferidas hoje pelo deputado Cutrim colocam em confronto duas autoridades da área de Segurança, o ex e o atual secretário, em uma situação vexatória perante a opinião pública.

A exigência da Polícia Federal se dá, também, pela necessidade de uma apuração rigorosa sobre as eventuais ligações entre o assassinato de Décio Sá e o da modelo Fernanda Lages, no Piauí.

Na época, o jornalista Décio Sá denunciava o envolvimento de parlamentares do Maranhão em festas de luxo (orgias) nas quais estaria participando a modelo assassinada.

As investigações no Piauí já revelaram o assassinato do empresário Fábio Brasil pelo mesmo executor de Décio Sá.

Cabe também à Polícia Federal mergulhar fundo na rede de agiotagem que tomou conta das prefeituras e as conexões com quadrilhas organizadas institucionalmente no Maranhão.

Se as investigações ficarem somente na alçada estadual correm o risco de sofrer interferências políticas e desvio de finalidades.

O Ministério da Justiça precisa intervir urgente no Maranhão.

3 comentários:

EMERSON MARINHO disse...

Acredito que pelo rumo que esse caso está tomando, pelos personagens que "supostamente" estão envolvidos e pelos que podem aparecer, já é possível se pensar numa CPI para investigar os deputados envolvidos com o caso Décio, iria mais longe ainda, se deveria abrir uma CPMI, para investigar também os vereadores, pois as denúncias já demonstram que tem muita gente do "colarinho branco" envolvida, e acho que vai sobrar até mesmo para o Executivo.
Depois da estranha tentativa de blindar o colega, na Assembléia, acho que "tem caroço nesse angu".

Emerson Marinho

Anônimo disse...

eu já penso diferente, e concordo com o deputado, essa investigação está sendo forjada e precisa de uma policia mais experiente com isso, que no caso, policia federal.

Roberto disse...

Eu imagino que as investigações do caso Décio têm que prosseguir para acabar com todas as dúvidas. O caso Cutrim é um deles.
Mas também acho que as Prefeituras que tiveram cheques apreendidos na operação da polícia devem ser investigadas a fundo. Isso é grave demais para não ser apurado. Cheques de merenda escolar e medicamentos nas mãos dos agiotas? Pra que crime pior do que esse?
Uma das Prefeituras que comprava merenda e medicamentos dos agiotas envolvidos na morte de Décio era a de Pindaré. O prefeito Henrique Salgado mantinha ou mantém um vínculo de amizade muito grande com Gláucio Alencar. Inclusive, se a polícia federal investigar direitinho vai ver que envolve recursos tanto da merenda escolar como da saúde e do Fundeb.
Gláucio foi visto diversas vezes em Pindaré com Ricardo, um dos poderosos da Secretaria de Saúde, em mesadas de cerveja em bares tanto de Pindaré como de Santa Inês. Agora como explodiu a bomba todo mundo quer negar a culpa.
Tomara que a polícia federal cumpra seu real papel de investigar e desvendar essa quadrilha que tanto fez mau às crianças e doentes de Pindaré com o surrupiamento dos recursos públicos que serviam para comprar merenda e medicamentos.
É muito fácil, é só auditar a Prefeitura de Pindaré que vão encontrar o tesouro perdido. Tesouro que a polícia procura, ou seja, falcatruas, desvios de dinheiro público da merenda, da saúde e do Fundeb. Podem ter certeza que é verdade.
Atenção Ministério Público, tá na hora de agir. Ou é agora ou nunca. Tentem tirar a blindagem destes prefeitos criminosos e larápios