Compartilhe

segunda-feira, 7 de julho de 2014

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL E A CAMPANHA ELEITORAL DO MARANHÃO

Paulo Melo Sousa, mestre em Ciências Sociais, escritor e jornalista.

O Maranhão se avizinha de um momento histórico diferenciado, diante da disputa eleitoral para o governo do Estado. Duas candidaturas se encontram, a priori, polarizadas. Edinho Lobão e Flávio Dino prometem terçar armas com discursos que são, pelo menos para o eleitor, antagônicos. Seria melhor dizer, diferenciados. Todo mundo sabe que Edinho Lobão representa o continuísmo de uma política que dominou os rumos do Maranhão ao longo de muitas décadas e a sua proposta é a do imobilismo, e que Flávio Dino, ao confrontar Lobão, apresenta um discurso que pretende ir de encontro a essa prática.

Com o slogan “Juntos, a Gente faz a Mudança”, Dino conclama o povo maranhense a mudar o jogo, e sua proposta de campanha mistura desenvolvimento e justiça social. Os críticos de sua candidatura colocam o dedo na ferida dos acordos já fechados e nas coligações com partidos ou nomes que já apoiaram alhures o grupo Sarney. Trata-se de um abacaxi que Dino terá que descascar a partir de janeiro do próximo ano, caso seja, de fato, eleito. Não é preciso dizer que esse filme já foi visto há pouco tempo, quando o governador Jackson Lago teve que fatiar o poder, e todo mundo sabe dos problemas daí advindos. São as regras de um jogo, o da política, que Flávio Dino parece, apesar da sua juventude, já dominar com grande habilidade.

Sabendo que terá que engolir alguns sapos, alguns bem venenosos, Dino se apresenta muito bem nas pesquisas, possui um apoio já consolidado, uma simpatia popular inegável e, até o momento, uma conduta correta, firme. A proposta, a princípio, é chegar ao poder e, chegando lá, fazer o possível diante de problemas cabeludos apresentados pelo Maranhão, dentre os quais se destacam os cancros da saúde, da educação e da segurança pública. Sobre esse tripé indigesto está alicerçado o discurso político do grupo que peita, neste momento, a oligarquia Sarney. Esperança, fé, mudança, sonhos, justiça social, honestidade são palavras de ordem na proposta de governo de Flávio Dino, com a benção da participação popular.

Indo um pouco além do óbvio, já que todo político deve se preocupar, de forma obrigatória, com saúde, educação e segurança pública, a proposta promete “adotar projetos de desenvolvimento com sustentabilidade ambiental”. Proposta genérica, fragmentada. A questão ambiental passa, necessariamente, pelo critério da sustentabilidade. No entanto, é preciso inserir essa proposta num contexto ampliado, sobretudo em políticas de governo. Quais as ações pragmáticas para resolver essa questão de forma satisfatória? Não se pode tapar o sol com a peneira.

O mundo globalizado exige novos olhares. Vivemos num momento de caos. O historiador norte-americano Immanuel Wallerstein diz que a crise do moderno sistema mundial deverá prolongar-se até 2050, e sugere que a descentralização do poder deve se operar sob a forma de uma multiplicidade de movimentos e grupos sociais de todo tipo, avançando em todas as frentes simultaneamente e lutando pela democratização radical das relações sociais e pela igualdade de direitos entre todos os indivíduos e grupos.

Essa reflexão implica em relações sustentáveis de poder, o que desemboca em um novo olhar sobre a questão ambiental, não de forma fragmentada, e sim de maneira integrada. Em suma, uma visão sistêmica. No caso do Maranhão, que inclua as demandas históricas dos quilombolas rurais, comunidades indígenas, ribeirinhos, pescadores, lavradores, coletores, marisqueiros, ambientalistas sistêmicos. Vivemos numa sociedade esquizofrênica, e a violência absurda que se abate sobre o Maranhão e que deve ser combatida espelha essa realidade. É um desafio profundo que deve ser enfrentado e que desafia as meras ações paliativas do Estado, tais como construir mais presídios ou aumentar os efetivos da polícia.

A questão ambiental envolve o controle do desequilíbrio social que gera a violência. Dessa forma, tudo se encontra encadeado. Como informa o filósofo Gilles Lipovetsky, “o drama maior da sociedade é que para muitas pessoas não há projetos, sobra a pobreza, a miséria, a exclusão; o desafio para o século 21 é que essas pessoas tenham algum futuro”. No Maranhão, essa reflexão se amolda com muita facilidade. É preciso enfrentar os problemas sociais, ambientais, de forma diferenciada. E já que estamos falando de sustentabilidade, a proposição já se encontra colocada, devidamente aprofundada por pessoas antenadas com a modernidade, com a visão sistêmica, a compreensão da totalidade por meio de uma análise global das partes e da intrínseca interação entre elas.

A Rede Sustentabilidade, liderada por Marina Silva, uma referência global na área ambiental, é partícipe, por exemplo, de “um diálogo com a cultura brasileira, entendida como plural e dinâmica, valorizando os patrimônios material, imaterial e natural locais, seus saberes e fazeres, com respeito aos sujeitos, às diferentes temporalidades históricas, à diversidade e pluralidade cultural. Uma sociedade plural como a nossa deve assumir de forma integral o direito à diversidade”. Essa questão precisa ser ampliada no debate político maranhense, vivenciada no cerne de uma campanha que promete mudanças.

É hora de se discutir a questão da sustentabilidade de forma transversal, ampliada, sistêmica, e não apenas de forma segmentada, como proposta jogada de forma genérica, sem a reflexão profunda, estrutural, que o tema merece. Tema esse que vem sendo discutido por alguns políticos, lideranças sociais, artistas, produtores culturais e ambientalistas maranhenses já há algum tempo. Flávio Dino, um político que sabe que escutar, às vezes, é mais sábio do que falar, não se furtará, creio, a esse debate medular.

2 comentários:

Sustentabilidade disse...

É redundante colocar o termo desenvolvimento associado a palavra sustentabilidade, pois um conceito contém o outro. A polissemia da palavra sustentabilidade,muitas vezes inabilita que venha ser usada em um discurso progressista. Essas pequenas confusões impedem uma apropriação da teoria e consequentemente a sua utilização no contexto das políticas públicas, assim, ficando perdida no espaço da retórica.
Po mais que não exista um conceito definitivo para desenvolvimento é claro que os termos justiça social, equidade econômica e acesso aos meios de produção da terra (recursos naturais)devem estar contidos de forma uniforme no mesmo contexto.

Anônimo disse...

Sim... DEpois do pontapé inicial pode ter jogo, ou não... Afinal são muitos jogadores, além do juiz, da torcida, do gandula, do cachorro que pode entrar no campo e etc... Bom ver citações de pensadores da atualidade (como Lipovetsky). Somente uma ressalva (minha): Marina Silva não é "sustentável", ela faz parte de um sistema com um vício incontornável, além de problemas ontológicos no discurso.