Compartilhe

segunda-feira, 11 de abril de 2016

APRUMA E CONSUN DA UFMA SE MANIFESTAM CONTRA O IMPEACHMENT DE DILMA ROUSSEF

Professor Alan Kardeck, Stédile (MST), a reitora Nair Portela, a servidora Altiva e o secretário de
Direitos Humanos Francisco Gonçalves participaram da reunião do Consun em apoio a Dilma.
A presidente Dilma Roussef (PT) conseguiu unificar em sua defesa duas posições distintas na UFMA.

Instância mais poderosa da Universidade, controlada pela Reitoria, o Conselho Universitário (Consun) emitiu nota em defesa do mandato presidencial.

Seguiu o mesmo caminho a combativa organização sindical dos professores, Apruma, seção sindical do ANDES-SN.

Sindicalistas e a maioria conservadora do Consun sempre conflitaram em assuntos internos da UFMA; porém, estão juntos na defesa da presidenta petista.

Embora tenha criticado o tratamento dispensado pelo governo Dilma aos professores universitários, a Apruma “coloca-se contra todas as propostas de caráter golpista de saída da crise, que represente uma violação da democracia a exemplo do impeachment presidencial sem comprovação de crime de responsabilidade”, segundo o texto da nota.

REPÚDIO DO VICE-REITOR

A reunião do Consun foi presidida pela reitora Nair Portela e teve a participação do professor do Departamento de Comunicação e secretário de Direitos Humanos do governo Flávio Dino, Francisco Gonçalves; do líder do MST João Pedro Stédile; do professor do Departamento de Engenharia de Eletricidade, Alan Kardeck Duaillibe, ex-diretor da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Segundo fonte bem situada na UFMA, a iniciativa do Consun foi repudiada pelo vice-reitor Fernando Carvalho, que se manifesta abertamente nas redes sociais contra o governo petista.

Carvalho reagiu irado à posição do Consun e à iniciativa da reitora Nair Portela de liderar a defesa do mandato de Dilma Roussef.

Aos berros, o vice-reitor repudiou especialmente a presença do MST na UFMA, corroborando sua postura conservadora na Universidade pública.

Constrangido com os excessos de Carvalho, o ex-reitor Natalino Salgado Filho entrou na reunião e saiu à francesa, mas nos bastidores é tido como “golpista”.

Portela foi a candidata de Salgado na eleição para a Reitoria, que também foi disputada pelo presidente (reeleito) da Apruma, Antonio Gonçalves. 

Para Salgado, está reservado o cargo de diretor da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (Emserh), gestora do Hospital Universitário.

A reitora é irmã do secretário de Segurança Pública Jefferson Portela.

Veja abaixo as notas do CONSUN e da APRUMA

NOTA APRUMA SOBRE A
ATUAL CRISE POLÍTICO-ECONÔMICA   

Docentes da UFMA reunidos/as em Assembleia Geral da APRUMA - Seção Sindical no dia 04 de março de 2016, após debate sobre a atual crise político-econômica que assola o Brasil, consideram que o Governo Dilma merece duras críticas diante das políticas adotadas que privilegiam o grande capital e retiram direitos da classe trabalhadora, como os cortes no orçamento da Educação, o ataque à livre organização sindical, a cobrança de contribuição dos aposentados e pensionistas do serviço público e o PL 257/2016, que terá efeito devastador sobre os servidores públicos das três esferas de governo (congelamento de salários, não concessão de vantagens e em última instância, demissões).  
Entretanto, a APRUMA - Seção Sindical coloca-se contra todas as propostas de caráter golpista de saída da crise, que represente uma violação da democracia a exemplo do impeachment presidencial sem comprovação de crime de responsabilidade.
Convocamos nossos professores a reafirmarem sua luta em defesa da democracia como forma de garantir a liberdade de expressão e organização e de avançar na conquista dos direitos dos trabalhadores.

7 comentários:

Xandoca disse...

Uma pequena correção. A Apruma não defendeu a DILMA nem o governo petista, mas a Democracia (tão frágil ) e o Estado de Direito. Uma ruptura institucional sem crime abre precedente psra muitas outras rupturas. Então, É possível defender o Estado de Direito a instituição democrática e ser contra os ajustes fiscais propostos pelo governo como saida da crise. E foi exatamente isso que os professores em assembleia da Apruma fizeram

Xandoca disse...

Uma pequena correção. A Apruma não defendeu a DILMA nem o governo petista, mas a Democracia (tão frágil ) e o Estado de Direito. Uma ruptura institucional sem crime abre precedente psra muitas outras rupturas. Então, É possível defender o Estado de Direito a instituição democrática e ser contra os ajustes fiscais propostos pelo governo como saida da crise. E foi exatamente isso que os professores em assembleia da Apruma fizeram

Novo disse...

Sai do armário, Xandoca. Já é por demais explicito o apoio da APPRUMA ao não impeachment da presidente. Mas que fique claro que esse órgão não representa o pensamento de toda uma categoria, mas sim o da diretoria e uma minoria de professores. Nesse momento fico envergonhado de ser associado. A propósito, o Stedile representa o que mesmo? Pouca vergonha!

Paulo Cesar Allves de Carvalho disse...

Por que quando somos contra o golpe PTista temos que ser Demonizados ?. Concluindo, nos apontam , e resumindo Isso choca a Academia.
Um partido que que foi Conivente com os Desvios da PTbras, cheio de laranjas podres e viciados no velho modelo Coronelista. O Ritual de Sarneyzamanto do PT do Maranhão foi Triunfal quando o ex-governador Jackson Lago agonizou a mingua auxilio das Esquerdas do Maranhão, todos se calaram...esse sim foi um golpe . ...Então estava o PT maranhense barganhado com o cargo de vice-governador de Roseana Sarney. Se o destino tivesse sido outro, quem sabe o governo Flavio Dino e o PT maranhense tivessem suas estruturas construídas a parti do PDT de Jackson Lago, e não a partir da alma vendida ao Diabo. Em contagem progressiva seria assim: Jackson Lago, Jackson Lago e agora Flavio Dino. Parabéns Professor Fernando.

Anônimo disse...

Sinto-me surpreso, para não dizer abismado, com a união repentina de pensamentos e pessoas. Posturas bem antagônicas (pelo menos no discurso) sobre universidade, transparência, educação, trabalho, sindicalismo, coisa pública, administração democrática etc se uniram para apoiar Lula, Dilma e o PT, que se deterioram a olhos vistos nos escândalos de corrupção.
O argumento de defesa da democracia, pelo fato de a presidente ter tido milhões de votos, não valeu quando da cassação do Collor(a quem não defendo), pois ele também teve os seus milhões de eleitores e foi impedido...mas ele pode; petistas, não.
Casuísmo? oportunismo?...ficamos a pensar no que pode ter acontecido, mas houve o enterro do discurso de que queríamos uma universidade pública de excelência em todos os sentidos, pois uniram-se - em pensamento e notas - os que defendiam, pelo menos publicamente, posturas opostas.
Cada um tem o direito de tomar a decisão que quiser, por mais tola que nos possa parecer, mas instituições obedecerem a grupos políticos que se agarram às tábuas do fisiologismo e da corrupção no seu naufrágio é um pouco demais.
Triste isso tudo.

Carlos Agostinho Couto
Professor do Departamento de Comunicação Social da UFMA


Anônimo disse...

Assusto-me mais e mais com esses senhores da moral que estufam o peito para gritar "fora corrupção", mas atrelam-se a um dos cantos mais podres que se pode achar em nossa querida Quinta dos Infernos. Logo, o problema não é a corrupção, mas sim o clima de ódio de uma direita conservadora e elitista que está afastada do poder há muito tempo. Uma das maiores mentiras atuais é essa "institucionalização da corrupção" atribuída ao PT. Quer dizer que os governos antecessores eram límpidos e imaculados? Sequer eles eram investigados, pois havia sempre um deles para engavetar qualquer coisa. Triste ver alguém de nível superior com pensamento tão ingênuo... Deves imaginar também que no final da lava-jato (Moro não vê a hora de concluir ela já que tá aparecendo muito amigo dele na lista, a exemplo do fã dele com contas em Lichenstein), quando cair o último PTista, o país estará pronto para crescer sem nenhum corrupto solto? Não sei há quanto tempo és professor da UFMA, mas se está lá há pelo menos 13 anos, deve se lembrar como ela era antes e depois do governo atual. Estudei no CT e sinceramente, era uma lástima andar se preocupando com casa de cupim, rã, fiação exposta, crateras no teto dos banheiros e seria muita felicidade a minha se os problemas fossem apenas no CT e não na Universidade como um todo. Melhor ainda seria se os problemas fossem apenas infraestruturais. A Universidade hoje goza também de projetos que eram praticamente inexistentes. Esse governo além de tudo apoiou e apóia a PESQUISA CIENTÌFICA e EXTENSÂO o que estimula alunos a estudar mais e crescer academicamente como traz os mesmos benefícios aos professores cuja preocupação vai além do cumprir a carga horária.

Ed Wilson Ferreira Araújo disse...

Sou filiado ao PT desde 1989. Participei de todas as campanhas de Lula, indo aos lugares mais longínquos do Maranhão, num tempo em que as pessoas achavam que Lula ia invadir fazendas e tomar as quitandas dos pequenos comerciantes. Dediquei minha juventude e parte da idade adulta ao PT, fazendo militância e trabalho de base junto aos movimentos sociais. Como jornalista, atuei em várias entidades sempre em defesa do campo democrático-popular.
Muita coisa melhorou no Brasil, principalmente para os mais pobres, graças aos governos petistas. O ensino superior também foi beneficiado, graças ao PT
Mas, tenho senso crítico. Não sou fundamentalista para fazer defesa cega do PT e apoiar todos os atos do petismo. O partido e o governo cometeu muitos erros, não temos como esconder isso.
Tenho discernimento e sei de muita coisa sobre o PT. Por isso, não venha com esse papo pra cima de mim, não. Aqui não cola.